A DIGNIDADE HUMANA é uma conseqüência antológica da origem do próprio homem e remota aos tempos imensuráveis que transcendem à capacidade de concreto cálculo numérico. O homem sempre existiu nobre, importante e, sobretudo, amado, na mente divina. Toda pessoa é detentora de faculdades superiores que devem ser cultivadas e ampliadas e participa da infinitude suprema, retratando a essência da sua grandeza e perfeição. Enfim, o homem tem algo, ou melhor, tem muito de Deus. É o humano confundindo-se com o divino e o divino tornando-se humano na pessoa de Jesus.

Diante destas tão conhecidas considerações, é supérfluo afirmar ou lembrar qual o tratamento que todos, especialmente “os poderosos” e os melhores e mais agraciados com dons e dotes, devem dispensar naturalmente aos semelhantes, aos irmãos. “Todos têm direito a ser respeitados. Todos são maiores que seus atos”.

A DIGNIDADE HUMANA reveste-se, portanto, de caráter universal, pois todos são dignos, todos são merecedores. Não discriminemos nem excluamos ninguém.
Muito oportuno o tema da Campanha da Fraternidade – 2000 – DIGNIDADE HUMANA E PAZ e que este ano, pela primeira vez no Brasil, está se realizando ECUMENICAMENTE. Não somente a Igreja Católica, porém, mais seis outras diferentes igrejas cristãs, num congraçamento arrojado e consciente de Fé e Fraternidade direcionado para a PAZ, uniram-se em defesa da DIGNIDADE HUMANA. Não ficaram indiferentes aos clamores e sofrimentos dos irmãos. Somente a árvore seca fica imóvel entre as borboletas e pássaros, diz a grande Cecília Meireles.

Com grande propriedade, a Organização das Nações Unidas consagrou o tão esperado 2000, como o Ano Internacional da Cultura da PAZ.
A PAZ, fruto da justiça e do AMOR, está condicionada a um viver digno.
Quem poderá experimentar a PAZ se o salário é insuficiente ou inexistente? Se a moradia é incompatível com as necessidades vitais, ou, pior ainda, se o firmamento é o teto e as pontes e os viadutos, os refúgios? Se a fome é a companhia inseparável? Se a dor e a doença não têm remédio? Se a educação é utopia? Se o lazer é privilégio dos afortunados? Se, enfim, as injustiças legais e os maus tratos dos chefes e patrões são uma constante?
A resposta todos sabem e é única: NINGUÉM.
Todo este lamentável elenco de humilhação e sofrimento constitui o maior e mais abominável atentado à DIGNIDADE HUMANA.
E, mais ainda, é um atentado ao próprio Deus, Criador de todas as coisas, Criador do homem, feito semelhante à Onipotência, para ser feliz e participar da DIGNIDADE DIVINA.

Ofensa ao irmão é ofensa ao PAI.
Reflitamos honestamente nesta terrível e inconcebível realidade, aquilatemos nossa dignidade pessoal e a de toda humanidade, tracemos e executemos nossos planos de desempenho fraterno, lembrando que “A FRATERNIDADE É O SINAL POR EXCELÊNCIA DO CRISTIANISMO”.

(autora de Retalhos do Cotidiano)

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I