O santo que mais se pareceu com Jesus

S. Francisco mantém uma atualidade fundamental para os nossos dias. Sua popularidade é diferente da de outros santos. Stº Antônio, por exemplo, tomou o coração dos brasileiros, é super popular na sua terra natal, Portugal, e é reverenciado no mundo inteiro. Ele e tantos outros, como S. Judas Tadeu, estão todos identificados com obras milagrosas, prodígios com obras de um taumaturgo. Mas com Francisco é diferente. Ele é o irmão universal. Ele é de todos, de crentes e não crentes. Seu valor não provem pela importância de ser invocado para tal ou qual causa ou determinada situação. Sua especialidade é ser irmão, ser pobre, amar a todos, as pessoas, os animais, o sol , a lua, a natureza.

Podemos ter dele duas leituras. A da história, sua família, a criação dos franciscanos, sua vida em Assis, a importância de Clara no seu trabalho. Mas, de outro lado, há os Fioretti, seus florilégios, isto é, uma versão popular sobre sua vida, que relatam detalhes de sua atuação e que contêm um sabor revelador do que ele realmente foi e viveu.
Os Fioretti são uma tradução do século XIV de uma obra latina dos franciscanos;alguns pensam que pode ser coletiva e que descreve a vida de S. Francisco e dos primeiros franciscanos. Pouco depois da morte de Francisco e dos primeiros franciscanos, Frei Ugolino de Montegiorgio teria reunido, em latim, os episódios mais importantes desse famoso personagem histórico. Mas o Floretum de Ugolino se perdeu. Todavia, parece que, dessa obra, derivam os Acti Sancti Francisci et Sociorum Eius que, em parte, foram traduzidos e que deram lugar à redação toscana conhecida com o título “Fioretti de S. Francisco”.

Nessa obra, o santo é apresentado na sua humanidade : vivo é o diálogo entre Francisco e o Irmão Leão que procura definir a perfeita alegria; vivo é o santo que mostra ao Irmão Macceo a verdadeira pobreza na mísera mesa concedida pela Divina Providência; viva é a prédica aos pássaros, palavras que transformam em ardor de fé e entusiasmo humano para irmanar todas as criaturas de Deus; vivo é o ferocíssimo lobo que responde como pode – com o movimento da cabeça, da cauda, das orelhas, e das patas – às exortações do santo e, “convertido”,entra em cada casa para receber alimento e sorriso dos homens que, antes, devorava. Num estilo simples , essas páginas demonstram que na vida não é suficiente apenas a força física e a vontade de ação. É preciso, sobretudo,a força de vontade , da paciência, da tolerância, da humildade, a doçura do sorriso , sobretudo , da fé.

Conversando com Pe. Sadoc sobre esse santo padroeiro da Casa de Retiro, lá em Brotas, onde ele almoça cada ano no dia da S. Francisco – 4 de outubro – ele disse espontaneamente uma palavra da qual me apropriei para colocá-la como título desse artigo: “O santo que mais se parece com Jesus”. E, de fato, cada santo teve sua feição peculiar que o engrandeceu. O que mais caracteriza S. Francisco é a idéia da imitação de Cristo. A meditação sobre o caminho da simplicidade mostrou que Francisco se esforçava por conformar sua vida em tudo à do Homem-Deus.

Francisco não entendia a imitação de Cristo como um modo, entre muitos outros, que o homem pudesse seguir. Ele estribava-se na palavra de S.Pedro quando diz que o Senhor “nos deixou um exemplo para que seguíssemos os seus passos” (1 Pe. 2,21). Essa graça de viver a vida de Cristo numa assimilação singular o alçou a receber do Papa Pio XII o elogiou de ser um “alter Christus”, isto é , de ser um segundo Cristo.

S. Francisco é o irmão universal e ele traduz essa sua vocação e sua sintonia com a criação quando compõe O Cântico do Sol, quando estava doente na igreja de S. Damião.
Eis o hino:

Altíssimo, Onipotente, bom Senhor, Teus são o louvor, a glória e a honra e todo bendizer.
A ti somente são devidos,E homem algum é digno de sequer nomear-Te.
Louvado sejas meu Senhor
Com todas as tuas criaturas,Especialmente o senhor irmão sol, pois ele é dia
E nos ilumina por si. E ele é belo e radiante com grande esplendor.
E porta teu sinal, ó Altíssimo.
Louvado sejas , meu Senhor, Pela irmã Lua e as Estrelas, No céu as formaste luminosas e belas.

Depois de louvar o Senhor pela água, pelo fogo,pela terra, pelos que perdoam , pelos que suportam enfermidades, ele, finalmente, louva o Senhor pela irmã morte, a morte corporal, “da qual ninguém escapa”.
Dessa forma, ele é o santo que mais se pareceu com Jesus Cristo.

Professor de Antropologia Na UNEB, na Cairu, na Faculdade 2 de Julho. É membro do IGHB, da Academia Mater Salvatoris e colabora nas Paróquias da Vitória e de S. Pedro. 

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I