Para que, em tempos de crise, de am-pliação da situação de carência (e de elei-ções), as pequenas políticas e as pequenas igrejas não virem grandes negócios temos que encarar a velha e nova pergunta: devemos dar o peixe ou ensinar o povo a pescar? Hoje, dentro de uma complexidade muito maior, já que é preciso responder de quem é o peixe e quem é que manda no rio. Afinal, sabemos que sem a posse do instrumento não existe aprendizado.

1. A rigor, não existe contradição intransponí-vel entre oferecer assistência e apoiar pro-cessos de conscientização onde as popu-lações aumentem seu grau de autonomia e protagonismo. A assistência bem pode ser o aspecto visível de um processo político-pedagógico, desde que se encarem os efei-tos, considerando suas causas. O que o debate não pode esconder são as opções e posturas político-ideológicas que sustentam o assistencialismo para que não haja cons-cientização. Hoje, o centro do debate se rege por índices econômicos como princi-pais indicadores de resultado. Os ganhos adquiridos em processos históricos cultu-rais – a auto-estima, papel de ator na histó-ria, acúmulo de conhecimentos sobre te-mas, apropriação metodológica, capacita-ção técnica e organizativa… são olhados com reserva, como ideologização.

2. É fácil enxergar fracasso nos processos quando não se relaciona esses esforços com o contexto geral – disputa internacional pelos mercados, política econômica, políti-cas governamentais, herança cultural, etc. Isso seria culpabilizar os pobres pela po-breza, sabendo que eles não produzem as macro-políticas, ao contrário, são vítimas dela. Desemprego, aumento da pobreza, precarização dos serviços públicos, recru-descimento dos conflitos sociais não po-dem ser atribuídos à ineficácia dos proces-sos político-educativos. Desgraçadamente, revelam a infinita distância entre a lógica da solidariedade e o poder das escolhas ma-cro que obedecem a interesses de empre-sas, organismos multilaterais e países que ditam as estratégias gerais. A miséria é produto de uma matriz.

3. As políticas compensatórias e a ajuda as-sistencialista carregam uma intencionalida-de. Vem revestida da generosidade de quem se adonou das riquezas e tenta miti-gar, com respostas compensatórias, o so-frimento dos descartados. Ela precisa per-petuar essa caridade para manter a depen-dência e garantir o controle social e a pró-pria dominação, nutrindo-se da permanên-cia da injustiça. A essência dessa postura é a naturalização da lógica onde sempre al-guém que tem e doa e alguém que não tem e que precisa receber.

4. A solidariedade, entre pessoas e povos, quando luta pelo desaparecimento das ra-zões que alimentam a falsa generosidade, ameaça a fonte que gera a ordem social in-justa. O processo emancipador, ao des-montar o gesto humilhante das mãos es-tendidas revela, anima e se compromete com a restauração da humanidade perdida em oprimidos e opressores. A solidarieda-de, ainda que possa nascer da compaixão (colocar-se no lugar da outra pessoa por não aceitar o sofrimento alheio), mais que tudo, é a iniciativa e empenho, envolvendo o pobre, para que ele chegue ao máximo do seu potencial. É um exercício co-responsável de superação da desumaniza-ção, nos frutos e, sobretudo, nas raízes.

5. O processo de recuperação da humanida-de de quem foi excluído, não pode vir de cima nem de fora. É uma permanente construção a ser forjada com os oprimidos, enquanto indivíduos e enquanto povos. Quando a solução dos problemas é dada para o pobre, tal qual a esmola, ou “enche de vergonha ou vicia o cidadão”. Porque mantém nele a humilhação e o germe da dominação – não se torna pessoa que se move com os próprios pés, pela sua e pela libertação da humanidade.

6. Quem está com fome, precisa do peixe. Porém, a miserabilidade nunca pode ser o critério para decidir um investimento. Quem não tem acesso aos mínimos vitais, não reúne as condições de pensar, não tem como desenvolver a consciência. Fome não gera consciência, gera conformação, degeneração física, desumanização. As si-tuações de urgência, elas não podem virar regularidade. Senão, a emergência que emociona porque resolve uma situação i-mediata, acaba paliativo, sem possibilida-des de solução definitiva.

7. O critério para um projeto merecer investi-mento solidário deveria ser sua eficácia pe-la sua condição de universalizar-se. A e-xemplaridade se irradia, se multiplica e se reproduze. Não basta investir em excluído, se as pessoas não têm condições reais de mudar a realidade. Mudar apenas o meio, em que as pessoas vivem, não muda as condições que geram as situações de ex-clusão. Potencialmente, as pessoas carre-gam o dom de ser capaz e de ser povo. Mas, a dedicação solidária para ser eficaz, deve apoiar os oprimidos que se dispõem a um processo de transformação da realida-de. Não se trata de excluir, mas de priorizar pessoas, áreas e processos. Limita o leque de atendimento para concentrar-se sobre uma parte que, sendo parte, tenha como horizonte a inclusão do todo.

Agosto de 2006

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I