Era uma vez um 7 impresso de vermelho na folhinha do calendário de todos os brasileiros…
Era aquele 7 DE SETEMBRO vivido alegre, cívica e patrioticamente pelo nosso Brasil, do norte ao sul, do leste ao oeste.
Era o ícone comemorativo da plenitude da nossa dignidade política, inserindo-se no contexto mundial das nações livres- A INDEPENDÊNCIA.
Lembremos que entre as faculdades concedidas ao homem pelo criador, a que mais o dignifica e enobrece é a LIBERDADE. E o Brasil experimentou o privilégio de tornar-se livre, escutando bem forte o eco inesquecível e histórico grito: INDEPENDÊNCIA OU MORTE! Era, enfim, o FERIADO MAIOR da nossa PÁTRIA.
Era o 7 DE SETEMBRO, realmente, um dia de festa em todas as nossas grandes e importantes metrópoles, como nos mais humildes rincões.

Lamentavelmente, hoje o 7 DE SETEMBRO quase ou nada tem a comemorar com autenticidade, diante de tantas e gradativas vendas e invasões.
Uma pseudo-independência grassa o nosso País, com grandes injustiças devolvendo o brasileiro à antiga condição de escravo.
O patriotismo, este sagrado sentimento, já não pulsa forte no coração dos nossos compatriotas, nem o 7 DE SETEMBRO tem aquele sabor pátrio dos bons tempos.
Como “recordar é viver”, reportemo-nos a um lindo e feliz passado e revivamos aqueles célebres desfiles militares e principalmente escolares, cujos participantes, impecavelmente fardados, abrilhantavam o DIA DA PÁTRIA qual uma diáfana apoteose enlevando e alegrando os olhos, os sentimentos e os corações.
As ruas contempladas com o privilégio dos desfiles, repletas de espectadores, presididos pelas autoridades locais, do alto do palanque aguardavam ansiosos e assistiam àquela solenidade cívica, ovacionando, aplaudindo os desfilantes, dispensando, com certeza, um aplauso bem especial às DESFILANTES.
Estas muito elegantes marchavam numa cadência impecável e alegre ao som de bandas marciais selecionadas, num clima de aclamação, entusiasmo e muito aplauso.
Tudo isso passou porque “nada que se vê e que se ama, foi-nos destinado para sempre”.
Eram outros tempos, outras pessoas, outra realidade!…

Sem querer fazer julgamento injusto e precipitado, a nossa afirmação é que o 7 DE SETEMBRO continua sendo comemorado, porém, formalmente, artificialmente, quase obrigatoriamente.
Resta-nos, portanto, arregimentarmos bravamente esperanças e otimismo e confiarmos que num promissor e bem próximo futuro, entoaremos com aquele patriotismo bem brasileiro, bem nosso:
JÁ RAIOU A LIBERDADE NO HORIZONTE DO BRASIL!…

(autora de Retalhos do Cotidiano)

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I