Dasilva 10 de setembro de 2006

Em tempos eleitoreiros, muita gente, mais puritana que pura, tripudia contra sanguessugas e mensaleiros. Não se pode, é claro, quem, na onda denuncista, agita a bandeira da moralidade contra o assalto ao patrimônio que deveria ser público. Se não fosse uma peça de marketing momentâneo para iludir o eleitorado e, que acaba em pizza, deveríamos apoiá-la uma vez que “a verdade independe do canalha que a pronuncia”.

A ocasião se presta para um questionamento da concepção de uma ética que não se baseia na justeza nascida de uma ética universal do ser humano. É apenas adequação a uma justiça proclamada pelo atual modelo de organização política. Não nasceu da fidelidade a princípios morais, mas da imposição de quem tem mais força e da defesa de seus interesses, neste momento. Ainda que seja legal, pode ser profundamente imoral.

Construiu-se no senso comum que política é a arte do possível para divulgar certo determinismo e fatalismo. Ao se dizer que política é arte de tornar possível se foge da impotência, mesmo reconhecendo que política é disputa.
Marilena Chauí, num debate recente sobre o momento conjuntural, diz que qualquer pessoa, a vigorar a atual justiça e organização política, ainda que santa, não escaparia de uma possível corrupção. É inerente ao próprio sistema. Sem mudar os parâmetros da justiça e da política, vai ser inútil buscar a ética na política.
Segundo ela, na organização dos bens materiais, na economia, deveria valer o que vale no interior das famílias. Aí, funciona a justiça distributiva – por mais que ganhe um filho mais velho, ele não questiona que o irmão tenha todo o necessário, ainda que não produza. Já na política, independente do poder econômico e das diplomações, funcionaria a justiça participativa. Quer dizer, toda pessoa teria o mesmo peso na hora da decisão. Com esses horizontes se tem outra idéia de justiça e de política e se pode cobrar mais ética.

agosto de 2006

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I