De repente,
Explodiu do passado
E rebentou, cheia de lágrimas
No rosto do menino,
Que ontem fui.

E veio caminhando pelas ruas
A predizer as coisas do futuro
Num velho realejo a manivela.

Os olhos do menino inebriado,
Que enxugava esse pranto indefinido
Predizia que havia em seu futuro,
Um velho realejo encarcerado.

O passado fixou-se na retina
E um velho paletó da cor de carne
Do velho mensageiro de alegrias
A distribuir felicidade pelos ventos.

A valsa que era alegre, ficou triste,
O sonho que sorria, ficou pálido,
A dor que não era, foi crescendo
E cantou como uma pássaro ferido.

O sonho que era valsa, foi embora
Carregando um paletó amargurado,
Um velho realejo de som rouco
E a nota persistente do passado.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I