Ser feliz!… É a aspiração natural que empolga o coração do homem, mesmo o mais rude e inexperiente. Esse desejo puramente humano e inextinguível nasce logo ao desabrochar maravilhoso da nossa compreensão, até então, envolta carinhosamente pelo mais cândido e encantador manto de nossa infância, tão pura, todo inocência e de que jamais nos esqueceremos. Mas, esse febril anhelo de ser feliz, não conhece restrição, sua “meta fixada” está bem longe, cresce e cresce sempre, parecendo muitas vezes querer devorar-nos tamanha é a violência desse ímpeto tão natural e tão justo; ele acompanha também a inteligência nas suas diversas fases de desenvolvimento e perfeição e é companheiro fiel e inseparável durante toda a nossa peregrinação através de estradas íngremes, pedregosas, difíceis no decurso do tempo que constitui uma existência, existência essa que é como a flor que logo murcha, logo se acaba…

Ser feliz!… É tal cume de alta montanha que o pobre e aflito viajante, distante já, divisa no horizonte, naquela travessia penosa que se vê obrigado a fazer. Porquanto, possuir a felicidade é a vitória única que se tem em mira e o ponto culminante que prende fortemente a nossa atenção, como recompensa de todos os esforços constantes e espinhosos, obstáculos tremendos que o homem herói transpõe, vencendo destarte as dificuldades másculas que se lhe apresentam e contrariando assim sua natureza desenfreada, astuta e comodista!

Ser feliz!… É ainda como um outro anjo da guarda que orienta benfazeja e interessadamente os atos e deliberações que constantes e inevitáveis surgem e, ademais, refreia muitas paixões desregradas e desejos satânicos, priva-nos de prazeres e ocupações ilícitas, pois, somente assim, subtraindo-se ao mal, pensa o homem ávido de felicidade: serei sim, serei feliz!

E por que não ser feliz? Pergunto eu. Será a ausência de riqueza, amizades, beleza e mais coisas inseguras, incertas, que o homem de espírito minúsculo, de ideais restritíssimos ambiciona e quer ser senhor custe o que custar, que me privam de possuir aquilo que é a razão de ser de minha vida?!…

Oh!… não!… e sempre não!… A felicidade não é uma fada misteriosa nunca encontrada, uma suposição irrealizável, conforme muitos o admitem, pois, nada mais real, concreto e sensível a supera. É ela qual linda flor que no jardim domina e encanta e é sabedoria da ambição de todos em possuí-la, porém, por mais valiosa que seja, ela não vai ao encontro daquele que a deseja, e nem podia ir, mas espera paciente e altiva que um alguém qualquer com carinho colha-a e, assim como ela, meiga e generosa, se entrega ora às mãos grosseiras do jardineiro que lida com a dura terra, ora às débeis mãos da donzela rica; assim também a felicidade é minha, é sua e de todos nós.

O que é enfim felicidade? Felicidade é a calma que se goza em servir à nossa consciência pura e amiga, é o ser fiel a nós mesmos. E por que os homens inquietos a procuram e não a encontram? Porque… digamos como o poeta, “porque a felicidade está sempre apenas onde a pomos e nunca a pomos onde nós estamos.”.

(autora de Retalhos do Cotidiano)

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I