(Lendo um soneto intitulado “O Palhaço”)

Quão ingrata é a sorte do palhaço!… Em casa reina dor e tristeza. E a saudade intraduzível oprime o coração inconsolável do esposo que chora amargamente a separação da sua companheira.
Separação atroz e decisiva!… Nunca mais revê-la! A vida se torna um eterno e sinistro exílio. Tudo é sombrio, tudo é amargura, tudo é desilusão e nada mais!… Resta-lhe apenas mais um recurso, um pedaço do tesouro que se foi… – os filhos. Mas, parece que a sorte quer experimentá-lo, preparando-lhe tão dura prova – faz adoecer a filhinha mais nova – a quem consagra todo o afeto de pai.

Que transe atormentador atravessa aquele homem que sente o coração despedaçado! Batem à porta, um recado urgente do empresário obriga-o a deixar o lar abandonado, sem ter a quem confiar os pequeninos, em demanda do seu “ganha-pão” aquele tão ingrato circo, onde a platéia inteira, freneticamente o reclama. É sempre ele a alma dos espetáculos. Surge afinal na arena, sua imponente figura. Os espectadores, como que fora de si, aclamam-no febrilmente; as ovações se sucedem.

O pobrezinho do palhaço não deixa transparecer a sua mágoa. Não se acabrunha; não sucumbe perante a assistência delirante que lhe ignora o martírio. As suas pilhérias espirituosas, os seus gestos engraçados entusiasmam aquele público que se diverte. Ele tem sempre o seu “sucesso” preparado. Agradece os aplausos espontâneos dos assistentes. Faz trejeitos, pula, canta e ri, enquanto a mais aguda, a mais acerbada dor lhe invade cruelmente a alma torturada, que silenciosa geme.

O riso do palhaço quer dizer uma lágrima que não pode derramar. É lamentável a sorte do palhaço… Em pleno espetáculo, surge-lhe inesperada, à sua imaginação, a saudosa e delicada imagem da esposa, dos filhinhos, da filha querida abandonada, que em casa sozinha delira de febre ardente que a devora, enquanto ele delira de dor.
Ante este drama angustioso que se desenrola atrozmente no seu interior, ele não pasma sequer; em vez de chorar, ele gargalha. O palhaço parece não ter coração. É dolorosa a sua sorte – sofrer para fazer divertir a humanidade. Não tem direito de se alegrar; fingir, é seu papel. Tenho pena do palhaço!… Mas quantas vezes somos palhaços na vida?!…

(autora de Retalhos do Cotidiano)

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I