Dasilva 9 de julho de 2006

Não se trata de fazer a defesa das satisfações imediatas e até individualistas. É a afirmação de que muda o prisma e a perspectiva que orientam nossa atuação.

Não sofremos neste “vale de lágrimas” para um dia gozar a vida. Não trabalhamos a vida toda para ser feliz, na velhice. Na visão popular a pergunta é: como perpetuar a felicidade que hoje já temos? Como ampliá-la? Porque já se experimenta a vida, a festa, o alimento, a relação humana, então se luta, se organiza uma estratégia, se faz um projeto. Não é o contrário. Os índios, por exemplo, não armazenam, consomem tudo o que coletam, repartem toda a caça. É um exemplo, entre aqueles que não conhecem a lógica (?) da “acumulação” e, por isso, só lutam quando vêem ameaçadas suas fontes de abastecimento ou sua unidade grupal.

Pode-se constatar a busca por espaços de convivência no trabalho, nos bairros, nas igrejas. Cientes dessa tendência, (forte rejeição à situação conflitiva) os empresários reformularam suas estratégias de dominação e, agora, promovem o relacionamento “democrático”, “transparente”, “familiar” e até com “distribuição de rendas”. Com isso, todos (?) continuam irmãos e os donos mais ricos. Não seria esse clima de “relações humanas” que está na base do sucesso das seitas pentecostais, das relações orientais e dos grupos político-religiosos? De qualquer forma, é simplista falar de “fanatismo”, de “imediatismo” de”comodismo”, quando o povo concentra sua atenção na vivência do cotidiano (a festa, a comida, a amizade…), mostrando-se apático frente às denúncias e descrente nos discursos professorais sobre a macroeconomia.

Para o pobre o futuro não é uma tentação e, a experiência de um pássaro na mão, é mais real que a possibilidade de alcançar os dois que estão voando. Isso não diminui a tarefa de ajudar o povo a entender que sem o macro, o cotidiano também não estará garantido. Vai ser um pé em casa e um pé na rua; necessidade de articular a luta pelas soluções cotidianas com a luta geral para mudar, pela raiz, as estruturas de uma sociedade onde não há lugar para a maioria.

junho de 06.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I