Dasilva 3 de junho de 2006

Veja as afirmações a seguir; aparentemente, razoáveis. Baseiam-se numa santa matriz antropológica progressista contra uma dinossaura e materialista sociologia totalizante… etc. Não seria a armação de uma arapuca (sofisma) a serviço de uma escusa estratégia?

– O ser humano não existe: existem ingleses, chineses, americanos. O americano não existe: existem mulheres americanas, negros americanos, gays americanos. A mulher americana não existe: existem mulheres americanas negras, mulheres americanas gays. A mulher americana negra não existe: existem mulheres americanas de classe média, mulheres americanas negras, operárias,… Isto não é tudo. As classes sociais também não existem. Há grupos que se redefinem a cada circunstância: motoristas de táxi se dissolvem em corintianos ou palmeirenses, que se dissolvem em adolescentes ou velhos, que se constroem enquanto moradores do Bexiga ou da Lapa. A Lapa não existe: é uma construção imaginária, uma identidade geográfica criada segundo juízos de valor, experiências subjetivas, jogos de linguagem sedimentados historicamente.

– A história não existe: existem ficções, narrativas que podemos organizar conforme uma estrutura de começo meio e fim, mas que sempre irão trair a arbitrariedade básica com a qual cada sujeito compõe os dados da realidade. Lembre-se que sujeito também não existe. É um campo onde se entrecruzam percepções, desejos, linguagens. De resto, a realidade não existe tampouco.

Essas bobagens acima correm o risco de passar como senso comum e como verdades. São “raciocínios” relativistas que viram uma espécie de Bíblia da sabedoria pós-moderna e que levam ao culto contemporâneo à identidade: social, racial, cultural, sexual. Sob o signo da crítica ao coletivismo se entrincheiraram slogans, “contra a ortodoxia” e “viva a liberdade de crítica” e tornaram-se imediatamente palavras da moda. As grandes frases contra a fossilização do pensamento dissimulam o desinteresse e a impotência para fazer progredir o pensamento teórico. A famosa liberdade de crítica não significa a substituição de uma teoria por outra, mas a liberdade com respeito a todo sistema coerente e refletido; significa o ecletismo e a ausência de princípios e certo rebaixamento do nível teórico.

A crítica ao ser humano abstrato disseminada entre a esquerda pós-moderna e teóricos radicais dos movimentos negros e feminista, passa, hoje em dia, como coisa avançada. As raízes encontram-se exatamente no conservadorismo. No século passado, teóricos ultra conservadores, na luta contra a idéia de direitos humanos universais, aferravam-se à constatação empírica das diferenças. J. de Maistre em “Considerações sobre a França” dizia: “O homem (universal) não existe. Em minha vida, vi franceses, italianos, russos… Quanto ao homem, declaro que nunca o encontrei”. Mais de cem anos depois, o elogio da diferença vira tema da esquerda moderna. Como não podem deixar de lado o tema clássico da igualdade armam um jogo de palavras onde os seres humanos são diferentes, mas iguais crentes que estão provando a quadratura do círculo.

Tudo isso parece dizer que a luta contra as várias discriminações, está imbricada com a luta onde que afirma a identidade, o valor, a originalidade de um grupo. É verdade que, em si, não encerra nenhuma contradição. Só que quando o movimento negro diz que negro é diferente repete o que os racistas sempre disseram: legitima o enfoque da diferença e as distâncias são alargadas.

Essa atmosfera pós-moderna de muitos ambientes de esquerda, essas celebrações neobarrocas das diferenças, de apego às singularidades culturais… assusta muito pouco as cabeças conservadoras. O que provoca ojeriza na direita é, ainda hoje, 200 anos depois, o discurso dos direitos humanos, o discurso revolucionário da igualdade. O problema dessa e de outras ciladas, talvez se reduza a um mal-entendido lingüístico. Pois, só se pode defender quem é diferente em nome da igualdade, mas a defesa do diferente passa a se chamar, num modismo pós-moderno, defesa da Diferença (com maiúscula). Aí, a igualdade fica falando sozinha.

A crítica pós-moderna ao universalismo, em vez de formular uma crítica à teoria racial, apropria-se de muito de seus temas e reproduz os próprios pressupostos sobre os quais, historicamente, assentou-se o racismo. Assim, é uma falta de novidade requentar temas como fim da história, fragmentação do sujeito, anti-universalismo pós-moderno. O pior de tudo é insistir na fragmentação e no particularismo num momento em que, como nunca, o capitalismo se tornou uma realidade totalizante num grau sem precedentes.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I