Nos 27 anos em que exerci o ministério episcopal (de 1975 a 2002) nunca assisti canonicamente matrimônios festivos dentro das três dioceses, em que trabalhei. Apenas nas Visitas Pastorais que, graças a Deus, as fiz em grande número, presidi aos chamados “casamentos de reparação” de fiéis cristãos que já viviam alguns anos maritalmente, sem nenhum impedimento canônico. Em Fernando de Noronha, já assisti a dois desses.
Hoje, a minha experiência pastoral diz-me que quando falo com os nubentes na preparação para o matrimônio, fico com a nítida impressão de que eu estou falando grego e eles falam turco… Isto é, falamos de sacramento – sinal da graça – símbolo da união de Cristo com a Igreja, das disposições espirituais para receber a graça sacramental, da união de alma e coração, com um sério compromisso para toda a vida. Enquanto vou falando, eles estão pensando no vestido da noiva, no buquê, nos cinegrafistas, no cantor que vai executar a indefectível “Ave-Maria”, às vezes até fora de hora, nas damas-de-honra e padrinhos, como será o automóvel branco para levar os recém-casados, onde será a lua-de-mel e coisas semelhantes.
Então, uma proposta pastoralmente arrojada. Vamos separar as coisas. Faz-se uma cerimônia realmente religiosa, com quase todo o ritual, possivelmente, com a celebração piedosa da Santa Missa, (ou ao menos com a Sagrada Comunhão) em ambiente restrito, religioso, recolhido, para poucos. É o Santo Sacramento do Matrimônio, com o recebimento do consentimento dos noivos, a bênção nupcial e quase tudo o mais. No dia seguinte, em outra oportunidade, haveria a tal “festa de arromba”. O Padre poderia, no máximo, dar as alianças (que na verdade são os dois que se dão mutuamente…) e fazer um grande e aclamado discurso, com todas as músicas possíveis e imaginárias. Mas o sacramento, o santo sacramento do Matrimônio, já havia sido celebrado no recolhimento e na oração. O resto é só exibição e fausto… E a igreja como teatro para essas coisas…
Que tal? Que dizem os canonistas, pastoralistas e liturgistas?
Parece-me solução arrojada e boa…

(*) É salesiano, arcebispo emérito de Maceió.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I