Dasilva 21 de maio de 2006


A Formiga e a Cigarra

A fábula de La Fontaine elogia as formigas operárias que trabalham incansáveis e condena as cigarras que, vivendo a cantar, não teriam provisões para o inverno. Por desconhecimento, ou porque lhe convinha, o autor omite que as formigas eram fêmeas, sem asas, alimentando uma “rainha” cuja função era reproduzir. Também não menciona que as cigarras constroem uma das mais belas “residências” da floresta e no processo de extrair a seiva de uma árvore, repartem com as formigas esse néctar.

Fugindo das analogias, podemos afirmar que a fábula retrata a eterna tensão do homem entre “viver para trabalhar” e “trabalhar para viver”. Mais que isso: toma partido, justificando uma suposta divisão social onde a maioria, por natureza, trabalha para que alguns usufruam os benefícios e se assenhoreiem do processo físico e intelectual que deveria pertencer ao conjunto da sociedade – produção social, apropriação social.

Negar, porém, o direito de “cantar” é, contraditoriamente, o reconhecimento da felicidade possibilitada pelo esforço criativo do trabalho que materializa e humaniza a natureza e as pessoas. É também a tentativa de alienar as “operárias” da sua própria criação, nascida do seu esforço, mesmo inconsciente. Nesse caso, a “folga” da cigarra é uma “subversão” que relembra a classe trabalhadora que ela é a mola do mundo e que deve gozar, com maior razão, dos frutos da cultura material e espiritual. Ou ainda, que o trabalho sem um desfrute é um tríplice tormento (tri-palium). Para usufruir o de-senvolvimento que vem do trabalho, é necessário superar o “estágio de formiga”, o es-tágio do puro reino da necessidade.

O Paulista e o Baiano

Tipologicamente, se poderia falar em dois modos de viver, em duas formas de olhar a vida. De um lado, predomina a lógica do “progresso”, da produção para o mer-cado, da obsessão pelo lucro. O ideal é o NEGÓCIO (nec+ocium = negação do ócio), porque “time is money”. Do outro, aparece o ÓCIO desmoralizado como a esperteza de aproveitar o momento e a vida, da “lei do menor esforço” e de “pernas para o ar que ninguém é de ferro”, onde a arte, o afeto, o lazer e a poesia ganham especial destaque. Na caricatura, os primeiros “não podem parar”, enquanto os outros “levam a vida na valsa”; uns são elogiados como trabalhadores exemplares e os outros de vagabundos
.
Na realidade, esta dicotomia e polarização é uma falsa questão que não serve para um projeto de sociedade transformada. Sonhamos com o trabalho com o status de “opus” (obra de arte), realização criativa do ser humano que sem destruição da nature-za, constrói um ambiente de convivência. O ócio (em grego SCHOLE), esse prazer físi-co intelectual e espiritual, deveria ser um direito de toda pessoa. Mesmo conservando a saudável tensão manual X intelectual, o trabalho perderia esse caráter de apenas es-forço físico (labor) e, sobretudo, sua conotação de castigo e tormento (tri-palium). E o lazer, como o ideal do bem-viver, do viver feliz, seria o “usufruto” de quem produz.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I